“Não temas, ó pequeno rebanho”

Nos últimos tempos, de forma acelerada, sem qualquer escrúpulo ou vergonha, os poderosos deste mundo estão em plena atividade. Uma agenda que visa destruir tudo que até aqui se construiu em termos de valores e moral, para se reconstruir uma nova sociedade, com valores e moral liberais e totalmente antagônicos aos judaico-cristãos. Para tanto, o caos é necessário, pois sem o colapso das estruturas e instituições não dá pra surgir falsos messias prometendo paz, paz, paz.

As guerras em todas as áreas, cultural, ideológica, conceitual, bélica, religiosa, econômica, política, estão aceleradas e acontecendo de formas insanas e intensas como nunca antes na história. São movimentos orquestrados e simultâneos. Pense apenas no cinema, praticamente todos os heróis estão sendo violentados em suas características e personalidades, tanto para adultos como para crianças. O mesmo se vê pra qualquer direção que se olhe, é só prestar atenção.

A pergunta que precisa de resposta é: quem financia? Por isso comecei este texto com “os poderosos…”. Sim, nenhum dos ataques globais que estão em curso podem ser executados sem dinheiro. Muuuito dinheiro. Considere apenas o ataque que Israel sofreu, é necessário muita estratégia, tática, pessoas, equipamentos, enfim, dinheiro. É só você pensar na dificuldade e no custo que é fazer um simples churrasco pra vinte pessoas na sua casa. Pensou? Então, vai multiplicando…

Quanto custa produzir um filme para o cinema? Quanto custa pra se ganhar uma eleição? Quanto custa para aprovar num congresso uma lei de interesse duvidoso? Quanto custa construir um estádio? Quanto custa manter uma zona de prostituição? A lista poderia aumentar e a resposta para todas as perguntas seria a mesma: custa muito dinheiro.

Quem financia? Os poderosos deste mundo. Eles não aparecem. Estão no conforto de seus castelos e na segurança, que pensam que têm, apenas patrocinando e assistindo a tudo. Por que patrocinam? Certamente pra ganhar mais, mais e mais. Não importa quantos morram, quantos sejam destruídos em suas esperanças e sonhos. O que importa é o plano macro de mudar e dominar este velho mundo.

Até quando? Em certo sentido, esqueça os poderosos. Na perspectiva da cruz olhe para O Poderoso e ore como Ele, Pai perdoa-lhes, pois não sabem o que fazem. Poderosos, seguidores e influenciados por poderosos, caso não se arrependam, terão o acerto de contas com O Poderoso.

Para nós, invisíveis, anônimos, frágeis, indefesos aos olhos de um mundo que se distancia cada dia mais do Poderoso, fica a fala cheia de afeto, carinho e amor deixada por Jesus: “Não temas, ó pequeno rebanho…”, Lucas 12:32. Os tempos eram difíceis e muitas vezes assustadores para os primeiros cristãos, mas foi para eles que Jesus completou a frase, “porque a vosso Pai agradou dar-vos o Reino”.

Um Reino eterno, incomparável, santo, puro, invencível, onde já não haverá mais morte, dor e lágrimas, está apenas esperando a entrada dos filhos do Poderoso. Se aproxima o tempo no qual veremos, viveremos e compreenderemos de forma plena o Reino que nos foi prometido antes da fundação do mundo. O Rei está voltando, Maranata, ora vem Senhor Jesus!

Edmilson Ferreira Mendes é escritor, pastor, teólogo, observador da vida.

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: A riqueza contra a simplicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *