A dissolução da autoproclamada república de Nagorno-Karabakh, que ocorrerá em 1º de janeiro de 2024, após o Azerbaijão assumir o controle total do território, causou um deslocamento massivo de armênios que vivem na região, a maioria deles de tradição cristã, para a Armênia em busca de refúgio. Até agora, cerca de 100 mil pessoas, incluindo 29 mil crianças, fugiram da área, deixando para trás as suas casas e bens.

Segundo a missão da ONU que visitou Nagorno-Karabakh, “cerca de 1.000 armênios permanecem na região”. A equipe das Nações Unidas afirma não ter encontrado danos materiais ou vestígios de violência contra a população civil. Por outro lado, o governo armênio, que alguns acusam de ter entregue o território ao Azerbaijão, assegura que “o fluxo de pessoas parou em grande parte e apenas funcionários e um número limitado da população permanecem no território”.

A absorção final de Nagorno-Karabakh pelo Azerbaijão ocorre apenas um ano após a última escalada de violência no conflito, que levou o exército azeri a assumir o controlo definitivo da região. O primeiro-ministro da Armênia, Nikol Pashinian , assegurou que “se as forças de manutenção da paz [russas] propuseram um acordo de paz, isso significa que aceitam plena e sem reservas a responsabilidade de garantir a segurança dos armênios de Nagorno-Karabakh e de lhes proporcionar as condições e os direitos para viver com segurança em suas terras e em suas casas”. De Baku, capital do Azerbaijão, o Presidente Ilham Aliyev expressou surpresa com a reação do executivo armênio e observou que “eles demonstraram competência política inesperada”.

Milhares de cristãos em perigo

Especialistas em liberdade religiosa alertam que o bloqueio devido ao atual conflito entre o Azerbaijão e a Armênia está colocando em perigo milhares de cristãos presos num território disputado entre os dois países.

O conflito remonta a décadas, embora a última batalha tenha começado em setembro, quando o Azerbaijão, de maioria muçulmana, atacou o seu vizinho da fronteira ocidental, a Armênia, uma nação predominantemente cristã. Cerca de 120 mil cristãos armênios vivem em Nagorno-Karabakh, o território disputado localizado na parte ocidental do Azerbaijão.

Pelo menos 32 pessoas morreram no ataque e pelo menos mais 68 seis dias depois, numa suspeita explosão de tanque de combustível. De repente, mais de 80% da população de Nagorno-Karabakh teve de fugir.

Como muitos, Hrayr Jebejian não sabe o que fazer. O secretário geral da Sociedade Bíblica do Golfo Pérsico, um armênio de origem libanesa, reside no Kuwait e garante ter confiança permanente em Deus.

“Quero trabalhar, mas não tenho motivação”, confessa Jebejian. “Tenho amigos em Nagorno, tenho estado com eles e eles estão traumatizados. Um amigo me disse: ‘Como podemos ficar, quando há uma espada sobre a nossa cabeça?’”

“Não quero ser egoísta, mas oro pela Armênia”, acrescenta. “Não suporto as imagens de crianças chorando, saindo de casa. Eu sei que Deus não nos abandonará. Vivemos muitas misérias, muitos massacres. Mas Deus esteve conosco em todos os momentos.”

Um conflito de longo prazo com interesses internacionais

O território de Nagorno-Karabakh havia ficado sob controle armênio, assim como a autoproclamada República de Artsakh, de população majoritariamente armênia, após confrontos com o Azerbaijão de 1988 a 1994. Um novo episódio de violência em outubro de 2020 reacendeu o conflito, até que ambos as partes assinaram um acordo de paz favorável a Baku, que recuperou o controle de boa parte do território. Pelo menos 6.500 pessoas morreram nessa nova escalada de violência.

No entanto, a paz durou até setembro de 2022, quando a Armênia acusou o Azerbaijão de bombardear cidades perto da sua fronteira, como Goris e Vardenis, enquanto os azeris acusaram os armênios de “atos subversivos”, que garantiu o controle da região. Agora, o governo azeri aumentou a pressão ao ponto de forçar a dissolução da entidade política que se tinha formado para governar de fato o território, sob controle armênio.

“O conflito na Ucrânia ocupa toda a nossa atenção e o Azerbaijão fornece o gás tão necessário”, explica Johannes Reimer, chefe da Rede Evangélica de Paz e Reconciliação (PRN), dada a falta de resposta a nível internacional. “O presidente Aliyev aproveita esta oportunidade para resolver de uma vez por todas o antigo problema do enclave armênio no seu país”, acrescenta.

A Aliança Evangélica Mundial (AEM), manifestou preocupação na 54ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre a situação de bloqueio no território à chegada de ajuda humanitária. “Apelamos ao governo do Azerbaijão para levantar imediatamente o bloqueio e permitir o acesso a alimentos, medicamentos e combustível”, disse Wissam al-Saliby , representante da AEM na ONU em Genebra.

Motivações religiosas?

Além do conteúdo sociopolítico da disputa, que argumenta que uma das causas do conflito é que Nagorno-Karabakh era uma região habitada maioritariamente por armênios no território do Azerbaijão, Reimer também observa uma componente religioso no conflito.

A Armênia é uma nação tradicionalmente cristã que faz fronteira com outros países de maioria muçulmana, como a Turquia ou o próprio Azerbaijão. Na verdade, um dos episódios históricos trágicos que ganhou hoje relevância diplomática é o genocídio dos armênios cristãos às mãos do Império Otomano em 1915.

“Estamos vendo a destruição completa de uma antiga cultura cristã”, diz Reimer. “Este é um conflito etnopolítico em primeiro lugar, mas profundamente entrelaçado com questões religiosas”, acrescentou. “Sim, os cristãos [armênios em Nagorno-Karabakh] são perseguidos”, observou ele.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus e Protestante Digital

The post Nagorno-Karabakh: milhares de cristãos em perigo devido ao conflito entre o Azerbaijão e a Armênia first appeared on Folha Gospel.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *