Houthis do Iêmen atacam Israel e anunciam entrada na guerra ao lado do Hamas

De acordo com o G1, os rebeldes Houthis do Iêmen entraram na guerra entre Israel e Hamas e assumiram a autoria de ataques com drones e mísseis contra os israelitas. 

Os Holthis fazem parte do grupo político-religioso Ansar Allah, de maioria xiita, que atua no Noroeste do Iêmen. Parte de um “Eixo de Resistência” é apoiado pelo Irã, conforme a CNN. 

O porta-voz militar Houthi, Yahya Saree, disse num comunicado televisionado que o grupo lançou um “grande número” de mísseis balísticos e drones contra Israel, e que haveria mais ataques desse tipo por vir “para ajudar os palestinos na vitória”.

Os militares israelenses disseram que o sistema de defesa aéreo chamado “Arrow” interceptou um míssil no Mar Vermelho disparado em direção ao seu território. O Arrow é um dos sistemas tecnológicos antiaéreos mais modernos do mundo. O sistema rastreia, intercepta e destrói mísseis que possam ameaçar áreas estratégicas ou centros populacionais.

Sobre os Holthis

No final da década de 1990, a família Houthi criou um movimento de revitalização religiosa da seita Zaydi do Islã Xiita, que outrora governou o Iêmen, mas que deixou o centro do Norte empobrecido e marginalizado.

À medida que aumentava o atrito com o governo, travaram uma série de guerrilhas com o exército nacional e um breve conflito fronteiriço com a potência sunita, a Arábia Saudita.

A guerra começou no final de 2014, quando Sanaa foi tomada pelos Houthis. Preocupada com a crescente influência do Irã xiita ao longo da sua fronteira, a Arábia Saudita interveio à frente de uma coligação apoiada pelo Ocidente, em março de 2015.

‘Holthis negam que são financiados pelo Irã’

Os Houthis demonstraram as suas capacidades de mísseis e drones durante a guerra do Iêmen em ataques à Arábia Saudita e aos Emirados Árabes Unidos, visando instalações petrolíferas e infraestruturas vitais.

A coligação liderada pela Arábia Saudita acusa o Irã de armar, treinar e financiar os Houthis. O grupo nega ser um representante iraniano e diz que desenvolve as suas próprias armas.

Os Houthis estabeleceram o controle sobre grande parte do Norte e outros grandes centros populacionais, enquanto o governo reconhecido internacionalmente se baseou em Aden.

O Iêmen desfrutou de mais de um ano de relativa calma em meio a um esforço de paz liderado pela ONU. A Arábia Saudita tem mantido conversações com os Houthis numa tentativa de sair da guerra. Mas os ataques Houthis a Israel aumentaram os riscos de conflito para a Arábia Saudita.

‘Morte à América, Morte a Israel’

Parte de um “Eixo de Resistência” apoiado pelo Irã, os Houthis uniram-se em apoio aos palestinos desde que o Hamas atacou Israel.

Saree culpou Israel pela instabilidade no Médio Oriente, dizendo que o “círculo de conflito” na região estava se expandindo pelos seus “crimes contínuos”. Os Houthis continuariam a organizar ataques “até que a agressão israelense cesse”.

O slogan dos Houthis é “Morte à América, Morte a Israel, amaldiçoe os Judeus e vitória ao Islã”.

Vale lembrar que a população no Iêmen vive em condições sub-humanas e a nação é considerada o 3º pior lugar do mundo para quem acredita em Jesus por conta da extrema perseguição religiosa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *