Homens que vivem como meninos: um caos geracional

Lamentavelmente vemos a desconstrução de princípios e valores de uma geração de homens que vivem como meninos; preocupados em ter, antes de ser, em conquistar antes de construir e como consequência um caos geracional. Ausência de caráter, sabedoria e posicionamento revelam quão imaturos são aqueles que enxergam a vida como um eterno parque de diversões. Levam a vida como aventura e não conseguem encarar os simples desafios corriqueiros. Estes, perdem-se no caminho, contentam-se coma a superficialidade e priorizam apenas a exterioridade.

Biblicamente encontramos muitos conselhos as quais todos homens deveriam inspirar-se para não viver de forma leviana. Faz-se urgente a necessidade de se levantarem os homens que ensinarão meninos a crescerem em maturidade, pois o contrário é utópico. Onde estão os homens corajosos ao invés dos mimados? Uma realidade devastadora de homens que desejam ter filhos, mas não exerce paternidade. Homens que casaram ou desejam casar, mas não querem assumir a casa. Homens que querem avançar profissionalmente, mas não se vestem de responsabilidade. Onde estão os homens que vão ensinar a próxima geração?

Uma história conhecida na Bíblia é a história de Davi, cresceu em graça e sabedoria, além de ser forjado em caráter e posicionamento diante as responsabilidades mesmo quando ainda era um menino atrás das malhadas cuidando das ovelhas de seu pai.

Em 1 Reis, capítulo 2, Davi aconselha seu filho Salomão e o instrui com um sábio conselho que valida as atitudes de um homem posicionado; “seja forte e seja homem.” Aquele que posteriormente deveria assumir o trono de seu pai Davi, não poderia viver um estilo de vida como um menino inocente. Ele deveria seguir os passos de seu maior exemplo, seu pai. O apóstolo Paulo também adverte em 1 Coríntios 13:11 “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.

Governo é para homens fortes e posicionados. Meninos não conseguem governar. Meninos não podem assumir responsabilidades, apenas homens o fazem. Meninos não discernem a longo prazo, enxergam apenas o agora, se perdem no circunstancial. Meninos são frágeis em suas decisões, inseguros e inconstantes em áreas determinantes da vida, mas homens sabem onde estão e onde querem chegar. Meninos não valorizam e honram as mulheres como deveria, apenas homens nobres conseguem fazê-lo. Meninos são facilmente ludibriados pela superficialidade, mas homens não se acostumam com níveis raso, pois desejam as profundezas. Meninos passam a vida toda tentando construir “castelos de areia” que facilmente são derribados pelas ondas fortes, mas homens constroem sobre a Rocha, que é Cristo, pois dificilmente são abalados por qualquer tempestade.

Que se levantem homens fortes, vestidos de responsabilidades e caráter irreprovável, tal como foi encontrado em Davi mesmo sendo menino antes de ser ungido a Rei, tal como sucedeu a seu filho Salomão. Que se levantem homens que desejam trilhar o caminho da nobreza e aqueles que não se contentam com a falsa liberdade de prazeres e deleites desta terra. Que se levantem homens servis que saibam governar, proteger, servir, guardar e principalmente, exercer sacerdócio. Que se levantem homens que refletem a imagem de Deus, que inspiram em seus testemunhos em devoção ao Senhor. Que se levantem homens que, apesar dos erros e tropeços, não paralisam nas lamúrias, mas discernem cada estação.

Certa vez, um pastor americano, Byron Yawn, escreveu uma carta aberta para a sua filha, quando ela ainda perdurava a adolescência e com sábias palavras decifrava qualidades de um homem servil, com postura admirável e que se destacava entre meninos imaturos em posicionamento. Trecho desta carta assim dizia:

“Querida filha, não se acomode. Ame um homem que ame a Cristo mais do que a você – e a você mais do que ele mesmo. Seja atraída por ternura, humildade, abnegação, coerência e sacrifício. Busque aquele homem que carrega a marca da cruz do nosso Senhor na vida dele. Ame aquele homem que não vive no temor das suas emoções, mas no temor do seu Senhor. Não se case com um garoto… não importa quantos anos ele tenha. Não se apaixone pelo primeiro jovem que se aproxima de você e te dá atenção. Ao invés disso, siga aquele homem que se aproxima e se assemelha a graça incondicional do seu Senhor Jesus. Lamento tanto pela condição geral da juventude masculina. Lamento por eles confundirem desejo sexual com amor. Entristeço-me por eles serem mais competentes em jogar do que em equilibrar o orçamento. Sofro por eles saberem mais sobre esportes do que doutrina. Desculpo-me por eles saberem melhor como manusear uma arma (o que é completamente respeitável em um sentido) do que eles sabem tratar uma mulher. Sei que piedade em um homem é difícil de achar. Mas ache-a. Senão, você vai passar sua vida criando o homem que você achava que tinha se casado. A igreja e essa cultura estão cheias de meninos disfarçados de homens. Deixe-os para lá. O homem que você está procurando não é um menino. Ele é um servo. Ele se preocupa com suas necessidades acima das dele.”

Matheus Grismaldi é jornalista, escritor, missionário e assessor de comunicação e imprensa em Angola, África. Idealizador do projeto de leitura cristã “Um Clube pra Ler” com leitores de países lusófonos. Professor na Escola de Ministério Vinha Angola e faz parte da liderança na Igreja Videira.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Deus está ao seu favor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *