Estímulos à violência contra judeus aumentam 1.200% após ataques terroristas a Israel

Um novo relatório revelou um aumento sem precedentes de 1.200% nos apelos online à violência contra Israel, sionistas e judeus após a operação Espadas de Ferro das Forças de Defesa de Israel (FDI) contra o Hamas.

Segundo o Jerusalem Post, as estatísticas foram coletadas no período de 7 a 10 de outubro de 2023, conforme indicado no 2º Relatório de Avaliação divulgado pelo Sistema de Monitoramento Cibernético do Antissemitismo (ACMS).

Durante esse período, foram registradas 157.000 publicações antissemitas, representando um aumento de 450% em comparação com os quatro dias anteriores. Paris se destacou como o epicentro desse ódio online, seguida de perto por cidades como Nova York e Buenos Aires.

Ódio digital

Entre os dias 7 e 10 de outubro, o ACMS registrou minuciosamente cerca de 157 mil postagens que propagavam sentimentos antissemitas.

Esses números representam um aumento de 450% em relação aos quatro dias anteriores (de 3 a 6 de outubro) e um aumento significativo de 360% em comparação com o mesmo período de setembro.

O paralelo entre o aumento do discurso de ódio e os ataques do Hamas é inegável.

Gigantes das redes sociais sob o microscópio

O Twitter, juntamente com algumas outras plataformas, está sob intenso escrutínio. A União Europeia tem expressado preocupações com a disseminação generalizada do ódio e desinformação e está direcionando sua atenção para essas plataformas.

Em uma série de desenvolvimentos rápidos, Thierry Breton, o responsável pelos direitos digitais da União Europeia, emitiu advertências severas à Meta (que é proprietária do Facebook e Instagram) e à plataforma X de Elon Musk.

A principal alegação de Breton gira em torno de supostas violações da Lei de Serviços Digitais, exigindo ações corretivas imediatas.

Paris está na liderança

Uma análise geográfica dos dados identifica Paris como o epicentro mais ativo na disseminação de discurso de ódio antissemita de 7 a 10 de outubro.

Após Paris, cidades como Nova York, Buenos Aires, Santiago e Los Angeles também apresentaram uma atividade significativa nesse sentido.

Decifrando a natureza do discurso antissemita online

Aprofundando na categorização dessa retórica odiosa, 78% dela é atribuída ao “Novo Antissemitismo”, que está predominantemente relacionado a sentimentos anti-Israel.

O antissemitismo clássico compreende 16% desse total, enquanto a preocupante disseminação da negação e distorção do Holocausto representa 6%.

O Jerusalem Post diz que a demonização e a deslegitimação de Israel, além de teorias da conspiração, são alarmantemente difundidas.

Rede de ódio é diversificada

Embora o radicalismo islâmico, grupos pró-palestinos, nacionalistas palestinos e a esquerda radical se destaquem como principais contribuintes, a rede de ódio é diversificada.

Extremistas de direita, incluindo supremacistas brancos e neonazistas, também estão explorando a situação, promovendo a propaganda antissemita clássica com renovado vigor.

Além disso, a Liga Anti-Difamação (ADL) tem acompanhado a situação do antissemitismo em todo o mundo desde o início do conflito em Israel.

Os principais eventos incluem um cântico pró-Hamas em Genebra, a desfiguração da Embaixada de Israel em Bogotá com símbolos perturbadores, um número impressionante de registro de 1.000 incidentes antissemitas em apenas 48 horas na França.

Atos de vandalismo em sinagogas no Porto e Madri, chamadas públicas em Sydney, na Austrália, que pediam “gás em judeus’, aumentos significativos de incidentes no Reino Unido, bem como ataques a estabelecimentos judaicos em Londres, Alemanha e Bogotá também foram verificados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *