A escritora Ayaan Hirsi Ali, uma ex-muçulmana e renomada crítica do Islã, revelou sua conversão ao Cristianismo, descrevendo sua jornada do Islã ao ateísmo e, finalmente, ao Cristianismo.

Ayaan publicou um artigo para o site UnHerd, do Reino Unido, comentando sobre sua decisão de se tornar cristã e apontando o Cristianismo como a solução para enfrentar os desafios sociais do mundo pós-moderno.

A história de Ayaan, nascida no Quênia, na África, tem muitas mudanças, pois na adolescência ela chegou a ser uma extremista religiosa depois de conhecer a Irmandade Muçulmana. Foi com este grupo que ela aprendeu a odiar os “infiéis”, que são todos aqueles que não seguem o Islã, e principalmente a odiar os judeus.

Tudo mudou após o atentado em Nova Iorque, Estados Unidos, no dia 11 de setembro de 2001, quando a jovem muçulmana passou a discordar da religião, abraçando então o secularismo e o feminismo, até se identificando como ateia.

Assim, a pesquisadora do Instituto Hoover, da Universidade de Stanford, na Califórnia, se tornou uma profissional respeitável, atuou em pautas feministas e publicou vários livros.

Mas, recentemente, ela passou por uma nova mudança em sua vida, abandonando o ateísmo para abraçar a fé cristã. Ao falar sobre essa decisão, a escritora cita as maiores ameaças da civilização ocidental: o ressurgimento do autoritarismo, a ascensão do islamismo global e a ideologia woke. Para ela, essas três forças só podem ser vencidas pelo legado da tradição judaico-cristã.

“Esse legado consiste num conjunto elaborado de ideias e instituições concebidas para salvaguardar a vida, a liberdade e a dignidade humanas – desde o Estado-nação e o estado de direito até as instituições de ciência, saúde e aprendizagem. Como Tom Holland mostrou no seu maravilhoso livro Dominion, todos os tipos de liberdades aparentemente seculares – do mercado, da consciência e da imprensa – encontram as suas raízes no Cristianismo”, pontuou Ayaan.

Em outro ponto de seu artigo, ela diz que nem o Islã, nem o ateísmo trouxeram-lhe respostas para os dilemas sociais que só o Cristianismo poderá resolver.

“Ao contrário do Islã, o Cristianismo ultrapassou a sua fase dogmática. Tornou-se cada vez mais claro que o ensinamento de Cristo implicava não apenas um papel circunscrito para a religião como algo separado da política”, escreveu Ayaan.

E continuou:

“Achei a vida sem qualquer consolo espiritual insuportável – na verdade, quase autodestrutiva. O ateísmo não conseguiu responder a uma pergunta simples: qual é o significado e o propósito da vida? (…) Neste vácuo niilista, o desafio que temos diante de nós torna-se civilizacional. Não poderemos resistir à China, à Rússia e ao Irã se não conseguirmos explicar às nossas populações por que é importante que o façamos. Não podemos combater a ideologia woke se não pudermos defender a civilização que ela está determinada a destruir. E não podemos combater o Islamismo com ferramentas puramente seculares. Para conquistar os corações e mentes dos muçulmanos aqui no Ocidente, temos de lhes oferecer algo mais do que vídeos no TikTok.”

LEIA O ARTIGO COMPLETO:
Porque Agora sou Cristã, de Ayaan Hirsi Ali para o UnHerd

Em 2002, descobri uma palestra de 1927 de Bertrand Russell intitulada “Por que não sou cristão”. Enquanto o lia, não me passou pela cabeça que um dia, quase um século depois de ele o ter entregue à sucursal da Sociedade Secular Nacional no sul de Londres, eu seria obrigada a escrever um ensaio precisamente com o título oposto.

No ano anterior, eu tinha condenado publicamente os ataques terroristas dos 19 homens que sequestraram aviões de passageiros e os lançaram contra as torres gêmeas de Nova Iorque. Eles fizeram isso em nome da minha religião, o Islã. Eu era muçulmana na época, embora não fosse praticante. Se eu realmente condenasse suas ações, então onde isso me deixaria? Afinal, o princípio subjacente que justificou os ataques foi religioso: a ideia da jihad ou Guerra Santa contra os infiéis. Seria possível para mim, tal como para muitos membros da comunidade muçulmana, simplesmente distanciar-me da ação e dos seus resultados horríveis?

Na altura, havia muitos líderes eminentes no Ocidente – políticos, acadêmicos, jornalistas e outros especialistas – que insistiam que os terroristas eram motivados por razões diferentes daquelas que eles e o seu líder Osama Bin Laden tinham articulado tão claramente. Portanto, o Islã tinha um álibi.

Esta desculpa não foi apenas condescendente para com os muçulmanos. Também deu a muitos ocidentais a oportunidade de recuar para a negação. Culpar os erros da política externa dos EUA foi mais fácil do que contemplar a possibilidade de sermos confrontados com uma guerra religiosa. Temos assistido a uma tendência semelhante nas últimas cinco semanas, à medida que milhões de pessoas simpatizantes da situação dos habitantes de Gaza procuram racionalizar os ataques terroristas de 7 de outubro como uma resposta justificada às políticas do governo israelita.

Quando li a palestra de Russell, percebi que minha dissonância cognitiva diminuiu. Foi um alívio adotar uma atitude de ceticismo em relação à doutrina religiosa, descartar a minha fé em Deus e declarar que tal entidade não existia. O melhor de tudo é que eu poderia rejeitar a existência do inferno e o perigo do castigo eterno.

A afirmação de Russell de que a religião se baseia principalmente no medo ressoou em mim. Eu vivi por muito tempo aterrorizada por todos os castigos horríveis que me aguardavam. Embora eu tivesse abandonado todas as razões racionais para acreditar em Deus, aquele medo irracional do fogo do inferno ainda persistia. A conclusão de Russell foi, portanto, um alívio: “Quando eu morrer, apodrecerei”.

Para entender por que me tornei ateia há 20 anos, primeiro você precisa entender o tipo de muçulmano que eu fui. Eu era adolescente quando a Irmandade Muçulmana penetrou na minha comunidade em Nairobi, no Quênia, em 1985. Penso que nem sequer tinha compreendido a prática religiosa antes da chegada da Irmandade. Eu tinha suportado os rituais de abluções, orações e jejuns como tediosos e inúteis.

Os pregadores da Irmandade Muçulmana mudaram isto. Articularam uma direção: o caminho reto. Um propósito: trabalhar para a admissão no paraíso de Alá após a morte. Um método: o manual de instruções do Profeta sobre o que fazer e o que não fazer – o halal e o haram. Como um suplemento detalhado do Alcorão, o hadith explica como colocar em prática a diferença entre o certo e o errado, o bem e o mal, Deus e o diabo.

Os pregadores da Irmandade não deixaram nada à imaginação. Eles nos deram uma escolha. Esforce-se para viver de acordo com o manual do Profeta e colha as recompensas gloriosas no futuro. Enquanto isso, nesta Terra, a maior conquista possível foi morrer como mártir por causa de Alá.

A alternativa, entregar-se aos prazeres do mundo, era merecer a ira de Alá e ser condenado a uma vida eterna no fogo do inferno. Alguns dos “prazeres mundanos” que eles condenavam incluíam ler romances, ouvir música, dançar e ir ao cinema – coisas que eu tinha vergonha de admitir que adorava.

A qualidade mais marcante da Irmandade Muçulmana foi a sua capacidade de transformar a mim e aos meus colegas adolescentes de crentes passivos em ativistas, quase da noite para o dia. Não apenas dissemos coisas ou oramos por coisas: fizemos coisas. Quando meninas, vestimos a burca e abandonamos a moda e a maquiagem ocidentais. Os meninos cultivaram os pelos faciais o máximo possível. Eles usavam o tawb branco usado nos países árabes ou tinham as calças encurtadas acima dos tornozelos. Operamos em grupos e oferecemos nossos serviços de caridade aos pobres, aos idosos, aos deficientes e aos fracos. Instamos os companheiros muçulmanos a rezar e exigimos que os não-muçulmanos se convertessem ao Islã.

Durante as sessões de estudo islâmico, partilhávamos as nossas preocupações com o pregador responsável pela sessão. Por exemplo, o que deveríamos fazer com os amigos que amávamos e aos quais nos sentíamos leais, mas que se recusaram a aceitar o nosso dawa (convite à fé)? Em resposta, fomos repetidamente lembrados da clareza das instruções do Profeta. Disseram-nos, em termos inequívocos, que não poderíamos ser leais a Alá e a Maomé e ao mesmo tempo manter amizades e lealdade para com os incrédulos. Se rejeitassem explicitamente o nosso apelo ao Islã, iríamos odiá-los e amaldiçoá-los.

Aqui, um ódio especial foi reservado a um subconjunto de incrédulos: os judeus.
Amaldiçoamos os judeus várias vezes ao dia e expressamos horror, repulsa e raiva pela litania de ofensas que eles supostamente cometeram. O judeus traíram nosso Profeta. Eles ocuparam a Mesquita Sagrada em Jerusalém. Eles continuaram a espalhar a corrupção do coração, da mente e da alma.

Você pode ver por que, para alguém que passou por tal educação religiosa, o ateísmo parecia tão atraente. Bertrand Russell ofereceu uma fuga simples e a custo zero de uma vida insuportável de abnegação e assédio de outras pessoas. Para ele, não havia nenhum caso crível para a existência de Deus. A religião, argumentou Russell, estava enraizada no medo: “O medo é a base de tudo – medo do misterioso, medo da derrota, medo da morte”.

Como ateia, pensei que iria perder esse medo. Também encontrei um círculo de amigos inteiramente novo, tão diferente dos pregadores da Irmandade Muçulmana quanto se poderia imaginar. Quanto mais tempo eu passava com eles – pessoas como Christopher Hitchens e Richard Dawkins – mais confiante eu sentia de ter feito a escolha certa. Pois os ateus eram espertos. Eles também eram muito divertidos.

Então, o que mudou? Por que me considero cristã agora?

Parte da resposta é global. A civilização ocidental está sob a ameaça de três forças diferentes, mas relacionadas: o ressurgimento do autoritarismo e do expansionismo das grandes potências sob as formas do Partido Comunista Chinês e da Rússia de Vladimir Putin; a ascensão do islamismo global, que ameaça mobilizar uma vasta população contra o Ocidente; e a propagação viral da ideologia woke, que está a corroer a fibra moral da próxima geração.

Esforçamo-nos por afastar estas ameaças com ferramentas modernas e seculares: esforços militares, econômicos, diplomáticos e tecnológicos para derrotar, subornar, persuadir, apaziguar ou vigiar. E, no entanto, a cada ronda de conflito, perdemos terreno. Ou estamos a ficar sem dinheiro, com a nossa dívida nacional na casa das dezenas de bilhões de dólares, ou estamos a perder a liderança na corrida tecnológica com a China.

Mas não podemos combater estas forças formidáveis a menos que possamos responder à pergunta: o que é que nos une? A resposta de que “Deus está morto!” parece insuficiente. O mesmo acontece com a tentativa de encontrar consolo na “ordem internacional liberal baseada em regras”. A única resposta crível, creio eu, reside no nosso desejo de defender o legado da tradição judaico-cristã.

Esse legado consiste num conjunto elaborado de ideias e instituições concebidas para salvaguardar a vida, a liberdade e a dignidade humanas – desde o Estado-nação e o Estado de direito até às instituições de ciência, saúde e aprendizagem. Como Tom Holland mostrou no seu maravilhoso livro Dominion, todos os tipos de liberdades aparentemente seculares – do mercado, da consciência e da imprensa – encontram as suas raízes no Cristianismo.

E então percebi que Russell e meus amigos ateus não conseguiram ver a floresta por trás das árvores. A madeira é a civilização construída na tradição judaico-cristã; é a história do Ocidente, com verrugas e tudo. A crítica de Russell a essas contradições na doutrina cristã é séria, mas também tem um alcance demasiado limitado.

Por exemplo, ele deu sua palestra em uma sala cheia de cristãos (ex-ou pelo menos duvidosos) em um país cristão. Pense em como isso era único há quase um século e em como ainda é raro em civilizações não-ocidentais. Poderia um filósofo muçulmano apresentar-se diante de qualquer audiência num país muçulmano – naquela época ou agora – e proferir uma palestra com o título “Por que não sou muçulmano”? Na verdade, existe um livro com esse título, escrito por um ex-muçulmano. Mas o autor publicou-o na América sob o pseudônimo de Ibn Warraq. Teria sido muito perigoso fazer o contrário.

Para mim, esta liberdade de consciência e de expressão é talvez o maior benefício da civilização ocidental. Isso não é algo natural para o homem. É o produto de séculos de debate nas comunidades judaica e cristã. Foram estes debates que fizeram avançar a ciência e a razão, diminuíram a crueldade, suprimiram as superstições e construíram instituições para ordenar e proteger a vida, garantindo ao mesmo tempo a liberdade ao maior número de pessoas possível. Ao contrário do Islã, o Cristianismo ultrapassou a sua fase dogmática. Tornou-se cada vez mais claro que o ensinamento de Cristo implicava não apenas um papel circunscrito para a religião como algo separado da política. Também implicava compaixão pelo pecador e humildade pelo crente.

No entanto, eu não seria sincera se atribuísse a minha adesão ao Cristianismo apenas à compreensão de que o ateísmo é uma doutrina demasiado fraca e divisiva para nos fortalecer contra os nossos inimigos ameaçadores. Também me voltei para o Cristianismo porque, em última análise, achei a vida sem qualquer consolo espiritual insuportável – na verdade, quase autodestrutiva. O ateísmo não conseguiu responder a uma pergunta simples: qual é o significado e o propósito da vida?

Russell e outros ateus ativistas acreditavam que com a rejeição de Deus entraríamos numa era de razão e humanismo inteligente. Mas o “buraco de Deus” – o vazio deixado pelo recuo da Igreja – foi meramente preenchido por uma confusão de dogmas irracionais e quase religiosos. O resultado é um mundo onde os cultos modernos atacam as massas deslocadas, oferecendo-lhes razões espúrias para ser e agir – principalmente através do envolvimento em teatro de sinalização de virtude em nome de uma minoria vitimizada ou do nosso planeta supostamente condenado. A frase frequentemente atribuída a GK Chesterton transformou-se numa profecia: “Quando os homens escolhem não acreditar em Deus, depois disso não acreditam em nada, tornam-se então capazes de acreditar em qualquer coisa”.

Neste vácuo niilista, o desafio que temos diante de nós torna-se civilizacional. Não poderemos resistir à China, à Rússia e ao Irã se não conseguirmos explicar às nossas populações por que é importante que o façamos. Não podemos combater a ideologia woke se não pudermos defender a civilização que ela está determinada a destruir. E não podemos combater o islamismo com ferramentas puramente seculares. Para conquistar os corações e mentes dos muçulmanos aqui no Ocidente, temos de lhes oferecer algo mais do que vídeos no TikTok.

A lição que aprendi nos meus anos com a Irmandade Muçulmana foi o poder de uma história unificadora, incorporada nos textos fundamentais do Islã, para atrair, envolver e mobilizar as massas muçulmanas. A menos que ofereçamos algo tão significativo, temo que a erosão da nossa civilização continue. E, felizmente, não há necessidade de procurar alguma mistura de medicação e atenção plena da nova era. O Cristianismo tem tudo.

É por isso que não me considero mais uma apóstata muçulmana, mas um ateia decaída. É claro que ainda tenho muito que aprender sobre o Cristianismo. Descubro um pouco mais na igreja todos os domingos. Mas reconheci, na minha longa jornada através de um deserto de medo e de dúvidas, que existe uma maneira melhor de gerir os desafios da existência do que o Islã ou a descrença tinham para oferecer.

Fonte e tradução: Pleno.News

The post Ativista muçulmana que se tornou ateia, Ayaan Hirsi Ali, diz que agora é cristã first appeared on Folha Gospel.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *